Friday, March 02, 2007

Confissões

Alecsander segurava meu braço e deixava claro que não queria que eu partisse daquele lugar, pois ele ainda tinha muitas coisas para esclarecer. Era claro que a nossa conversa ainda não tinha acabado e que ainda tinha muitas coisas em aberto. Feridas que eu abri por estar intrigada demais. Alecsander estava perturbado, por ter sentido dor na hora que eu me cortei e mais perturbado ele ficou com o cheiro que meu sangue possuía. Eu não o culpava, porque a agitação que ele sentiu eu pude sentir como se esta agitação fosse minha, assim como as preocupações que ele possuía e a maior preocupação era Julia que olhava para eles dois e se aproximava para saber o que diabos estava acontecendo.
- Quem é você afinal? O que você quer realmente comigo?
Alecsander me interrogava, quando o inverso é o que deveria estar acontecendo. Eu podia simplesmente queimar a mão dele, puxar a minha arma e acabar com aquilo de uma vez por todas.
- Alice Lupin. Agente especial do F.B.I. designada para eliminar pessoas como você. Recebi ordens de executá-lo, assim como recebi ordens para executar sua namorada, uma possível entidade eólica e mais dois companheiros seus. Minha missão era simples, até eu descobrir que nossos sangues estão interligados.
Julia que tinha chegado pegou parte da conversa e não gostou nada de escutar aquilo que eu dizia. Achou-me arrogante e prepotente em dizer tão abertamente o que eu tinha em mente. - Quem você pensa que é? Você não é nada perante os outros que freqüentam este local! Problemas e mais problemas. Antes eu estivesse apenas na companhia de Alecsander.
- Julia...
Como explicar para aquela vampira que o panorama havia mudado?
- Na melhor das palavras eu sou o que você chamaria de Inquisição. Estou aqui para garantir que a humanidade não corra risco de vida. Eu estava apenas cumprindo ordens, mas esta noite eu não poderei cumprir a minha missão.
Eu não podia simplesmente matar o Alec. Eu precisava ter certeza, mais do que eu já parecia ter esta certeza. Minha mente, minha razão, ainda tentava me convencer de que eu estava apenas enganada. Mas a minha alma e meu coração, brigavam e me xingavam dizendo que eu sabia a resposta. O F.B.I. não ficará nada contente. Ao menos, Alecsander parecia estar compreendendo a minha posição. Mantinha-se imparcial ao notar que eu estava batendo em retirada, antes de cometer uma carnificina, mas a namorada dele estava completamente ofendida com as minhas palavras, o que é bem típico dos vampiros, por eles serem arrogantes demais e acharem que um simples mortal não era uma ameaça tão preocupante em um ambiente como aquele.
- E o que você pretende fazer? Mate um e outros virão. Outros mais poderosos.
Eu estava começando a perder a minha paciência. Meu objetivo no momento era apenas Alecsander.
- Julia, por favor... Se acalme.
Os dois começavam a discutir. Ele tentando mostrar a ela que nada aconteceria e ela tentando mostrar a ele que seria um erro deixar eu ir embora. Ouvindo os dois conversando minha alma ficava cada vez mais arredia. Era claro que Geburah estava sedento pela justiça e que aqueles dois matariam pessoas inocentes. Cordeiros de Deus nas presas dos lobos. Togarini também se agitava. A confusão deixava clara que as coisas tendiam apenas piorar. Eu precisava colocar a mente em ordem. Precisava acalmar aqueles arcanjos que estavam comigo para uma situação de emergência. A espada saía com extrema facilidade e em uma velocidade até anormal para os mortais. Alecsander notando o que estava para acontecer, tentou me deter...
- ALICE!!! NÃÃOO!!!
Alecsander não consegue deter o movimento da espada e mais uma vez corto parte de meu corpo. Na tentativa de colocar a mente em ordem, o ato quase me custa à vida.

1 comment:

Nerito said...

Engraçado falar isso, mas sinto saudades de Thorn... Estranho isso, não é? Ah! Mas é que o jeito "Alice" dele é muito interessante...
Continuo no escuro quanto à natureza do Alec. Pensei que ele poderia ser um lobisomen, mas acho meio improvável que um licantropo tenha uma namorada sanguessuga. Mas o universo é seu, a lógica é sua. Sem falar que, depois de Underworld, nunca se sabe, né? Duas raças inimigas mortais podem muito bem se apaixonar...
No final de semana assiti o motoqueiro fantasma e tinha uma cena onde um vilão se aproximava de um bar no meio do "nada". O porteiro (um careca barbudo no estilo neonazista) o barra e diz que "Somente os Angels podem entrar nesse bar". Sabe que eu lembrei da cena que você escreveu da Alice chegando no bar...
Mas continue sua história. Quero ver até onde vai essa ligação de sangue entre o jovem Alec e a sombria Alice (Alec x Alice - que combinação interessante!)