Thursday, April 26, 2007

Quando os Arcanjos Aparecem - Parte I

Sombras ergueu a cabeça e estranhou o fato de me ver levantando de forma súbita e estranhou mais ainda quando me viu saindo de forma repentina.
- GRRRRR!!!! Ela devia deixar o filhote resolver as coisas sozinho! - Cravou sua faca na mesa mais uma vez e riscava a mesa com mais vigor, mas como explicar para o Sombras que eu e o Alec tínhamos uma estranha ligação que ficou mais forte com a reaproximação?
Eu não tinha tempo a perder. O alarme do carro era desligado e logo as pessoas saltavam para o lado, ao ver o Jaguar cantando os pneus e levantando fumaça da borracha queimada.
As "pessoas" até estranhavam quando viam o jaguar subindo o gramado e andando em uma linha nada reta, indo em direção à floresta que tinha ali perto.
Meus olhos se fechavam, a visão confusa e alternada entre o caminho que eu estava tomando e lutas, fazia o meu carro ranger a cada passar, tirando lascas das árvores, ou do ranger alto do fundo do carro ao solo cheio de altos e baixos.
- Grrrrr!!! Por que você não me contou Alec?
Os caminhos ficavam cada vez mais perigosos, mas o atalho me ajudaria e era bom eu chegar rápido, pois não estava sendo interessante sentir coisas que eu sentia apenas quando lutava com as minhas vítimas.
Minhas mãos cravavam de modo firme no volante, a visão ficava borrada e eu senti o baque do fundo do carro. Eu não estava mais na floresta os olhos se assombravam ao ver aquele carro surgir como um animal furioso que rugia alto se anunciando. A visão voltava por alguns breves momentos. Sangue em um rosto conhecido, lágrimas em outro rosto, ambos olhando para a mesma pessoa. Segundos tão pequenos, mas o suficiente para sentir o calafrio de quem iria deter a visita inesperada.
- Simon diz...
Pude apenas ver um rosto nada contente e o forte baque daquele corpo que passava rolando por cima do jaguar. O freio de mão era puxado com violência. O carro girava parando de frente com aquele ser maldito que se erguia mostrando seus caninos.
- Que a Justiça prevalesça!
Eu abria a porta do meu carro, os comparsas dele seguravam Alec e Júlia para que não houvesse interferências. De um lado aquele maldito deixava de ter seus ferimentos e de outro lado eu começava a recitar palavras em Hebraico mantendo meus olhos sobre aquele ser.
- Mate-o minha avatar!
Julia nunca sentira tanto medo em sua não-vida. Um medo tão forte que seus caninos cresceram, sua força duplicou e ela avançou de forma rápida seus passos, não para me atacar, mas para se colocar entr eu e aquele maldito que estava fazendo ela e Alec sofrerem. Este foi o grande erro da vampira, pois minhas palavras terminavam.
- ALIIICEEE, NÃÃÃÃÃOOOO!!!!
Não dava para voltar atrás, não com aquela magia. Alec apenas pode ver chamas surgindo do chão enquanto eu erguia a minha mão pegando uma grande área. Júlia gritava de dor, o vampiro que eu queria atingir se assombra e salta dentro do fogo, pegando a vampira e a tirando daquelas chamas que subiam aos céus.
Os demais vampiros tentavam conter Alec que queria salvar Júlia. Tive pouco tempo para compreender o murmúrio de Júlia que pedia para o pai dela perdoare para ele fugir. Mas o tempo corria e Geburah não podia ser mais contido.
- GEEEEBUUURAAAAAAH!!!!!!!!!!!!!! QUE A JUSTIÇA SEJA FEITA À SUA VONTADE!!!
A fúria de Geburah era liberada. Uma energia azulada começava a circular o meu corpo. A espada era puxada lentamente e temor se apoderou daqueles que presenciavam o que estava acontecendo. Meus olhos eram energia pura, os ventos fortes açoitavam as árvores enquanto vampiros imploravam por piedade.
- Não há piedade para aqueles que se alimentam dos cordeiros de DEle!
O pai de Júlia pode ver apenas um borrão e então corpo de um de seus comparsas sendo partido ao meio e caindo ao chão. Pode ver quando eu erguia a minha mão e esmagando um coração na mão. Pode ver quando aquele coração entrava em combustão e depois mais um borrão. O arraste do vento que mudava de forma brusca, começava a querer a arrancar as árvores do chão e lançava os vampiros contra elas. Na fúria de Geburah, Júlia também não estava sendo poupada.
- ALICE!!! PARE!!! PAAAREEE!!!
Alec sofria. Júlia sofria. Geburah continuava sua matança. Quando não partindo os corpos no meio, arrancava os corações usando as minhas mãos, cremava os corpos e Alec mais uma vez gritava.
- ALICE!!! PARE!!! VOCÊ VAI MATAR UM INOCENTE!!! JÚLIA ESTÁ GRÁVIDA!
Grávida? A vampira esta grávida? Geburah, continuava usando o meu corpo, mas aquela notícia foi forte o suficiente para eu e o Arcanjo não percebermos a fuga do Pai de Júlia.
- Poupe-a Geburah!
Geburah lançava os olhos dele sobre a vampira e encerrava sua carnificina. Alec estava a salvo. Júlia e seu bebê estavam a salvos e o pai de Júlia escapou.
- Saiba vampira que estou te poupando devido a criança que está em teu ventre. Serás poupada até que a criança nasça. Mas ainda ficarás sob meus olhos e se sairdes dos caminhos que apontarmos para ti, serás julgada e desta vez, não terás a proteção de Alice ou de Alecsander.
Alec pode presenciar meu corpo caindo ao chão, mas não só ele pode presenciar isso. Sombras também presenciava a queda de meu corpo.
- Cuide de sua esposa! Eu cuidarei de sua irmã... - Ordenou Sombras ao Alec que estava desnorteado com tudo que tinha acontecido, assim como ver a namorada ferida e eu ali desacordada aparentemente.
- Júlia! Você está bem? - Alec acariciava o rosto da amada e Sombras me carregava para o carro.
- Você é estranha sabia? - Murmurou Sombras ao me colocar no banco do Jaguar. estava preocupado com tudo aquilo. O pouco que ele pode presenciar, foi o suficiente para ele compreender que eu podia não ser uma Lycan, mas que eu poderia ser algo muito pior.

1 comment:

Nerito said...

Que final de capítulo! A manifestação de Geburah foi cinematográfica... Mas nada foi tão atordoante quanto saber que uma vampira está grávida de um lobisomen... Essa foi muito boa! Geburah teve que parar pois senão cairia em completa incoerência. Apesar de que muitos agem por "justiça" e matam inocentes. Mas não está em meu poder julgar isso. Agora, a gravidez de uma vampira pode gerar algo híbrido das duas raças. Acho que aí vem guerra... Sendo vampiros e lycans inimigos antigos, um filho das duas espécies causaria um caos... É, vamos ver o que vai acontecer...
Mais uma vez parabéns por esta envolvente trama!