Tuesday, April 24, 2007

Segredos?

Meu corpo se encontrava moído, a cabeça doía. Fiquei me perguntando que caminhão que tinha me atropelado até ver o relógio da sala de repouso indicando 21:30.
- Droga. Dormi demais.
Vinnie não se encontrava mais na sala de repouso, nem mesmo Jean estava por ali com seu habitual sorriso me dando boas vindas à terra dos vivos. O que em certo ponto não deixava de ser hilário.
Peguei roupas limpas e fui tomar uma ducha para retirar o cansaço da "soneca".
Já eram 22 horas quando Jean e Anderson viam meu vulto saindo da Seção 9.
- Não se preocupe Jean! Ela entrará em contato.
- É com isso que me preocupo...
Eu não podia culpar Jean e Anderson, afinal... Eles apenas se apegaram demais com a minha pessoa na seção 9, mas desde que aquele serviço iniciou, eu tinha que findá-lo de uma forma ou de outra. Eles poderiam compreender, mas Diretoria estava esperando relatórios e isso significava ir encontrar o meu irmão de novo, assim como Júlia.
O local começou sua noite de forma tranqüila, pude presenciar o meu irmão entrando no lugar, mas ele não estava só.
- Mais um Lycan. - Murmuro, resolvendo deixar o carro. Era engraçado ver que as pessoas passvam se arrastando nos carros ao lado do Jaguar, mas não ousavam tocar no meu gatinho selvagem.
- Ao menos aprenderam a lição. - Não pude deixar de comentar com um pouco de sarcasmo nas palavras e também não fiz cerimônias para entrar no bar.
- Alice!!! - Alec se erguia de sua mesa e vinha me recepcionar. Olhei um tempo ao redor e pude apensa observar o rapaz que chegou junto com ele, lançando-nos um olhar, sentir um breve calafrio e voltar a riscar a mesa de madeira com uma faca de sobrevivência. Mas além dele, pude perceber que a vampira não estava.
- Ela... Virá mais tarde... - Alec sentiu um calafrio quando o olhei nos olhos. Estava tão claro que eu buscava a vampira, que ela não me agradava nenhum pouco ou ele aprendeu a ler a mente?
- V-venha... - Ele pigarreia para tentar disfarçar aquele desconforto que ele sentiu. - Vou apresentar você ao Sombras...
- Belo nome. - Lanço meu olhar mais uma vez na direção do tal Sombras. - Combina com ele.
Alec coça a nuca por um tempo e olha de soslaio para mim.
- Por que você não veio ontem à noite?
Claro. Como explicar para ele que eu tive uma reunião de negócios com o Arcanjo da Justiça e com o Arcanjo da morte, justamente para ter alguma chance contra ele e a Júlia acaso eles perdessem a cabeça novamente?
- Reunião com a Diretoria. - Respondo, vendo sombras se erguendo e ele mesmo se apresentando.
- Boa noite Lupin! Meu nome é Sombras e confesso que até há pouco tempo eu duvidava das palavras de seu irmão Alec. - Sombras fareja o ar e esmiuça os olhos em minha direção. - E confesso que é mais interessante ver olhos tão diferenciados para uma humana.
Não pude deixar de sorrir por conta de forma como ele disse aquilo, se ele soubesse sobre a minhas verdadeira condição, não me chamaria de simples humana.
- É interessante conhecer um amigo de meu irmão.
Sempre seria interessante conhecer os amigos dele. Saber quem o rodeia e do que eram capazes. Esta era a minha função, para a infelicidade de Alec. Creio que Sombras percebeu isso e logo se ergueu.
- Estarei por perto, deixarei vocês dois conversarem a sós.
Garoto esperto e um sorriso escapava ao canto dos meus lábios, vendo-o se erguer e se afastar enquanto Alec mostrava que o compreendia e dava atenção à minha pessoa.
- Espero que eu não esteja te dando muito... trabalho...
Eu observei Alec por um tempo. Ele me deu um pequeno trabalho, mas nãda que pudesse ser contornado.
- De forma alguma...
Resolvemos conversar sobre outros assuntos. Coisas que não trouxessem à tona o que ele era e o que eu era. Alec me contou um pouco mais sobre a vida dele. O que tinha acontecido, por onde ele andou, coisas assim, mas pude notar que às vezes ele parecia se distrair com algo. Olhava na direção da porta do estabelecimento, e parecia estar preocupado com algo.
- Está tudo bem? - Perguntei, olhando-o de forma inquiridora.
Alec ficava desconcertado, desvencilhava-se de minhas perguntas. Sorria sem graça. Algo estava acontecendo. Isso estava bem claro. Eu não sabia mais que assunto puxar com Alec, já que a minha vida se resumia em trabalho e mais trabalho e não sei se minhas preces foram ouvidas. Alec se ergueu de forma tão abrupta, que chegou a esquecer que eu existia e que estava ali. Saiu de forma súbita, sob os olhares de Sombras e os meus. A faca de sobrevivência era ficanda com força e depois arrancada por Sombras. Ele rangia os dentes, parecendo conter uma fúria muito grande, então fechei meus olhos. Deixei que meus sentidos me alertassem. O Calafrio foi tão grande que o meu corpo se ergueu de forma súbita também.
- Alec...

1 comment:

Nerito said...

"nem mesmo Jean estava por ali com seu habitual sorriso me dando boas vindas à terra dos vivos"

ótima definição. Novamente afirmo, você sabe fazer personagens marcantes. E a aparição do tal "Sombras" foi de certo modo engraçada, como se Alice não desse muita importância para ele. Eu me pergunto qual seria a conversa entre os dos irmãos. O que Alec teria contado para Alice sobre sua vida de lycan. E o que uma caçadora de demônios poderia contar para alguém que poderia ser sua presa?
A vida de Alice já era sombria, complicada e solitária. Agora vejo que está mais complicada inda! O que será que o destino (na mão dos arcanjos ou não...) terá reservado para essa agente...