Saturday, June 02, 2007

Pequenos Milagres - Parte III

Thorn sentia seu corpo pedindo um tempo. Sentia seu corpo fraquejar no momento que Anderson fazia a transfusão de sangue. Apertava os dedos em meus cabelos e continuava a murmurar de forma muito baixa palavras que Jean gostaria de saber o que ele estava a dizer, mas o que ambos os agentes do F.B.I. não sabiam, era o que Thorn estava realmente vendo. O necromante via meu corpo ensangüentado. Fraquejando perante demônios e mais demônios que me arrastavam cada vez mais para o Inferno. Via Geburah de braços cruzados perante toda aquela batalha, e todas as palavras que ele dizia em meu ouvido, estavam servindo para me manter firme perante aquela batalha. Eu escutava seus pedidos de desculpas, enquanto ele me dizia que meu irmão não aceitaria meu sacrifício. Dizia que se eu fraquejasse a vampira possuiria sua vingança e de que nada teria valido meu esforço para salvar um aparente inocente. Dizia que eu tinha prometido a Togarini que entregaria nas mãos do Arcanjo a criança acaso ela se corrompesse. Thorn era uma das pessoas que mais me mantinha viva naquele momento, mesmo fomentando a ira em minha alma, ou a sede de vingança em cima da esposa de meu irmão, e os demônios urravam para que eu não escutasse aquelas palavras, fomentando em minha alma a sensação de derrota e de que nada havia valido meus esforços. Que eu era a culpada por ter tido um irmão Lycan que matou meus pais. Que eu era a culpada pelas mortes que eles proporcionavam aos inocentes perante meus olhos e que eu traria a morte às únicas pessoas que eu me importava por ter trazido à vida aquilo que deveria estar morto.
Mas Thorn não desistia, continuava a falar o que era necessário para injetar novos ânimos em minha alma.
- Thorn? - Mais uma vez Jean falava com Thorn ao ver que Anderson parecia começar a fraquejar durante a transfusão e o Necromante, apenas erguia a mão para que Anderson se afastasse. Meu chefe encerrou o que poderia fazer e ambos se assombram ao ver os olhos de Thorn que de cinzas não possuíam mais nada de tão sombrios que se encontravam perante a palidez de seu corpo. Ele iria fazer a transfusão mesmo sem condições e pedia perdão para mim, pelo que ele iria fazer, mas ele não iria permitir que eu morresse naquele momento e foi no momento em que ele preparou tudo para iniciar sua transfusão de sangue, que ele pode sentir o segurar de seu pulso de modo forte.
Seus olhos pareciam clarear quando observou quem segurava seu pulso.
Thorn me abraçou, erguendo meu corpo, mesmo ainda sentindo-o gelado.
- Eu ainda não serei sua zumbi favorita...
Murmurei de modo fraco, deixando que ele me mantivesse nos braços dele. - E nunca mais se atreva em pensar que tomará meu lugar.
Jean fica confuso com aquelas minhas palavras, isso era visível para Anderson que também não compreendeu bem o que tinha acontecido. Mas o que quer que seja que o necromante tinha feito, ambos estavam agradecidos por ele ter conseguido me resgatar de alguma forma.
- Seja bem vinda ao mundo dos vivos! - Murmurou Jean, vendo Thorn erguendo a cabeça e suspirando, mas o que fez ele se retirar daquele lugar, carregando Anderson e me deixando a sós com Thorn, foi ver lágrimas nos olhos do necromante.

1 comment:

Nerito said...

Thorn chorando... algo que eu pensei que nunca veria...
O Necromante já tinha um bom conceito comigo e agora ele cresceu mais ainda acima dos outros. Foi evidente que aquele luta foi somente dele. Uma luta onde força física ou "espiritual" não conta, pois os sentimentos terrentos infelizente (ou felizmente?) estão além dessas duas coisas.
Acho que juntando os três episódios, fiquei triste por causa da melancolia que eles passam. Mostram como Alice tem um desejo (se inconsciente ou não eu não sei) de morrer e isso dói para aqueles que a amam.
Fico me perguntando se você tem o desfecho dessa aventura na sua cabeça. Espero que não seja algo muito ruim reservado para a Alice. Acho que no final das contas os arcanjos têm que limpar a ficha dela... pelos serviços prestados... pelo menos é isso que eu penso. Ah, tô emotivo demais!
A sega da caçadora de demônios continua maravilhosa. Eu realmente fiquei meio aflito quando vi que demorou, mas não queria te cobrar nem nada, já que sei como é difícil para quem escreve arrumar um tempo. Mas obrigado mesmo por mais esse episódio!

sinceramente,

Nerito