Saturday, May 19, 2012

Post Mortem – VII


O tempo corria de forma diferenciada desde o momento em que me sentei àquele sofá.
O rapaz de traços rudes observava o caixão feito em vidro, que mantinha intacto o corpo do rapaz que havia sido depositado em seus braços.
Era notável vê-lo pensativo e agradável sentir seus sentimentos confusos.
– Sinto-te confuso... Em dúvidas dos propósitos que seguias antigamente. – Espezinhei-lo, sorrindo sarcasticamente.
– É estranho Alice. Deveras estranho... Jamais imaginaria uma situação como esta...
Distraí-me enquanto o escutava e observei o belo corpo que repousava em um sarcófago translúcido, ele trazia uma estranha sensação de paz, um elo sanguíneo... Um quê de almas ligadas...
– Eu não poderia deixá-lo... É como se...
“Minha volta a este plano dependesse do sacrifício dele...” – pensei sem completar a frase anterior, mas estava claro aos olhos do viking o que se passava em minha mente.
Ele me conhecia melhor que ninguém...
– Será difícil explicar ao O’Toole...
“O’Toole... O’Toole... O’Toole...” – Franzi meu cenho tentando recordar algo mais a respeito desse nome.
– O Príncipe Encantado... – Murmurou Thorn, buscando ver algo mais em meus olhos...
Um sorriso se espalhou fino em meus lábios, porém meus olhos continuavam vazios, observando sempre o corpo repousado no caixão tal qual Branca de Neve à espera de seu beijo mágico...
– Devo comunicá-lo, Alice? – Thorn murmurou novamente, tentando arrancar-me de meus devaneios...
Aproximei-me do caixão e acariciei o vidro.
– Devo comunicá-lo...
Meus olhos voltaram a ficar vazios e toda aquela sensação frívola desaparecera. Aquele corpo no caixão serviu a seus propósitos. Sentiria falta dele, mas agora o mundo precisava compreender que ao se brincar com a morte, era comigo que eles iriam se entender.
– Temos coisas mais importantes para fazer, Thorn... Por enquanto, deixe o Príncipe Encantado em paz. Ambos sabemos que ele em breve irá me procurar... Por vontade própria.
Beijei levemente o sarcófago e murmurei...
– Descanse em paz... Togarini...





"O cheiro da morte está em todo lugar. O silêncio atordoa não deixa você pensar. Você sente em sua espinha, você sente no ar. O medo te consome você reza para acordar".
(Zumbis do Espaço)

2 comments:

Nerito said...

Há muito tempo não voltava aqui e, qual não é a surpresa ao descobrir que o Togarini morreu... que coisa... o Arcanjo da Morte morto??? rs...

Nerito said...

Oi! Deixei alguns selos pra você no blog. Bjim